“Para problemas complexos, não existem soluções simples”

Entrevista para a Revista RADIS da FIOCRUZ.| Carlos Felipe D’Oliveira

Suicídio é uma questão que fala do sofrimento humano. Para encará-lo como tema de saúde pública, é preciso reconhecer que existem fatores previsíveis e também da ordem do acaso, do imponderável. Essa é a visão de Carlos Felipe d’Oliveira, médico psicoterapeuta que atua há mais de 20 anos com o tema. Ele foi coordenador do Grupo de Trabalho que formulou a Estratégia Nacional de Prevenção do Suicídio, lançada pelo Ministério da Saúde em 2006, e alerta que o país nunca possuiu um plano concreto de prevenção, com orçamento e metas definidas. Médico formado pela UFRJ em 1974, ele integra a diretoria da Associação Brasileira de Estudo e Prevenção do Suicídio (ABEPS) e é membro do Conselho Consultivo do Centro de Valorização da Vida (CVV).

Clique no link abaixo e veja a entrevista na integra.
https://radis.ensp.fiocruz.br/index.php/revista/reportagem/70-para-problemas-complexos-nao-existem-solucoes-simples#.XI0F4Mt9Kas.whatsapp